Veja os 9 sintomas da overdose mais comuns para ficar de olho

por Clínicas Reset Prime Reabilitação em Dependência Química Alcoolismo e Psiquiatria

Entre em contato com Clínicas Reset Prime Reabilitação em Dependência Química Alcoolismo e Psiquiatria

Entre em Contato

Os sintomas da overdose aparecem quando o usuário faz um uso excessivo de alguma substância. Por esse motivo, eles podem variar bastante de acordo com a droga, pois elas agem de forma distinta no nosso corpo. Por exemplo, a cocaína estimula o sistema nervoso central, enquanto o álcool o deprime.

Por isso, é muito importante que os amigos e familiares dos afetados estejam alertas para identificar os sinais e sintomas a fim de procurar ajuda o quanto antes. Isso pode salvar a vida deles, visto que a overdose é potencialmente mortal. Grandes artistas, como a Elis Regina, faleceram por esse motivo.

Se você quer saber mais sobre o assunto, não deixe de ler nosso post até o final!

Confira os 9 sintomas de overdose mais comuns

1. Dificuldade de respirar

Algumas drogas agem deprimindo o sistema nervoso central, como o álcool, os barbitúricos e os benzodiazepínicos (clonazepam, diazepam etc.). Isso pode atrapalhar algumas funções importantes do corpo, como os batimentos cardíacos e a respiração. Nesse último caso, a pessoa pode respirar muito lentamente ou ficar muitos segundos sem movimentos inspiratórios.

Também, há outras substâncias que aumentam a produção de saliva ou relaxam o esfíncter esofagiano, permitindo que os alimentos refluam do estômago para a garganta. Isso pode obstruir as vias aéreas significativamente.

Então, nos casos de abuso intenso, é importante checar se a pessoa está respirando bem para colocá-la em uma posição que facilite o fluxo de ar até a chegada do socorro médico.

2. Náuseas e vômito

As náuseas se referem à sensação de mal-estar conhecida como “ânsia de vômito”. Sua complicação é o próprio vômito. Apesar de parecerem dois sintomas menos leves, se você sabe que a pessoa é usuária de drogas, não os subestime. Pergunte, com calma, se ela fez uso recente das substâncias. Isso vai ajudá-lo a procurar socorro antes do agravamento do quadro.

3. Diminuição dos batimentos cardíacos

Esse também é outro sinal muito importante das overdoses. Ele é causado pela depressão dos centros de controle do coração no sistema nervoso central. Com isso, há uma dificuldade de controlar as correntes elétricas das fibras cardíacas — o que é preocupante quando fica abaixo de 60 batimentos por minuto. Pode ser causado pelo álcool, pelos benzodiazepínicos, opioides etc.

4. Aceleração dos batimentos cardíacos

Por outro lado, outras drogas podem causar exatamente o efeito contrário, a aceleração do ritmo do coração. Nesse caso, ele pode bater tão forte a ponto de parecer que a pessoa correu uma maratona — superando os 180 batimentos por minuto.

5. Dor no peito

A dor no peito é uma sensação subjetiva, normalmente causada por um estado de ansiedade elevado ou pelo aumento rápido da frequência cardíaca. É um sinal que preocupa bastante os familiares, que o associam aos ataques cardíacos. Por isso, é essencial manter a calma e procurar ajuda médica o quanto antes.

6. Convulsões

Outro sintoma bastante assustador para quem está ao redor. Normalmente, as crises de overdoses geram convulsões generalizadas, em que todo o corpo do usuário se contorce em contrações bem-vigorosas. No entanto, é possível que haja convulsões mais sutis em um só braço ou perna.

7. Suor excessivo

Esse é um efeito muito comum de todos os tipos de droga. No caso do álcool, o paciente apresenta a pele fria e pálida. Já a cocaína e as anfetaminas aumentam a temperatura da pele — o usuário parece estar com febre.

8. Desmaios ou perda de consciência

Também é um efeito muito comum com todas as drogas, pois o cérebro pode diminuir a consciência tanto nos casos de depressão do sistema nervoso central quanto no excesso de estimulação.

9. Psicose e paranoia

Esses dois são os principais sintomas psiquiátricos das drogas. A psicose se refere a alucinações e delírios, isto é, a pessoa distorce a realidade ou percebe objetos e pessoas que não existem. Já a paranoia é a sensação de estar sendo perseguido mesmo que não haja nenhum motivo para essa crença.

Os sintomas da overdose com as drogas mais comuns

Cocaína

  • Ritmo cardíaco irregular;
  • frequência cardíaca elevada;
  • pressão arterial muito alta;
  • tremores;
  • suor excessivo;
  • náusea;
  • convulsões;
  • ansiedade ou agitação severa;
  • temperatura corporal perigosamente alta;
  • acidente vascular encefálico;
  • confusão;
  • psicose.

Maconha

Apesar de rara, a overdose de maconha pode ocorrer, principalmente nos usuários de haxixe:

  • frequência cardíaca acelerada;
  • dor no peito;
  • reações psicóticas ou paranoia;
  • diminuição do julgamento, percepção e coordenação;
  • ansiedade extrema;
  • ataques de pânico;
  • agitação;
  • convulsões;
  • palidez;
  • pressão alta com dor de cabeça.

Álcool

  • Confusão;
  • perda de consciência;
  • convulsões;
  • vômito;
  • temperatura corporal muito baixa;
  • dificuldade de respirar;
  • pele fria e pegajosa.

Geralmente, os familiares se assustam mais com a overdose de outras drogas, por serem ilícitas. No entanto, é preciso de um cuidado especial com o álcool, pois são frequentes os casos de pessoas que se engasgam com o próprio vômito e falecem.

Benzodiazepínicos

  • Dificuldade para respirar;
  • confusão e desorientação;
  • unhas e lábios azulados;
  • visão borrada ou dupla;
  • fraqueza;
  • tremores;
  • incoordenação motora;
  • estupor;
  • queda do estado de consciência;
  • coma.

Crack

Os sintomas de overdose do crack são semelhantes aos da cocaína, mas geralmente mais intensos:

  • pressão arterial alta;
  • dor no peito;
  • freqüência cardíaca acelerada;
  • suor excessivo;
  • ansiedade e agitação;
  • pupilas dilatadas;
  • nervosismo;
  • náusea;
  • acidente vascular encefálico.

LSD

  • Suor excessivo;
  • náusea;
  • pupilas dilatadas;
  • batimento cardíaco acelerado;
  • boca seca;
  • tremores;
  • insônia;
  • visão borrada;
  • aumento da temperatura corporal;
  • fraqueza;
  • perda da orientação no tempo e no espaço;
  • alucinações visuais;
  • sinestesia, isto é, confusão de sensações. Por exemplo, o usuário alegar que está vendo sons;
  • intensificação dos sentidos;
  • relato de experiências místicas.

Metanfetamina

  • Pupilas dilatadas;
  • dificuldade de respirar;
  • frequência cardíaca elevada;
  • ataque cardíaco;
  • dores no peito;
  • alta temperatura corporal;
  • acidente vascular encefálico;
  • dor de estômago;
  • pressão alta;
  • agitação;
  • estado mental alterado;
  • paranoia.

Opioides

  • Pupilas diminuídas;
  • redução da frequência respiratória
  • inconsciência.

Heroína

  • Unhas ou lábios azulados;
  • pulso fraco;
  • respiração deprimida;
  • desorientação ou delírios;
  • pupilas diminuídas;
  • episódios repetidos de perda de consciência;
  • extrema sonolência;
  • boca seca;
  • coma;
  • pressão sanguínea baixa;
  • obstipação ou espasmos do estômago ou intestinos.

Caso você note algum desses sinais em pessoas suspeitas de abuso de drogas, o primeiro passo é retirar a pessoa do perigo. Ou seja, você pode deitar um indivíduo que esteja perto de perder a consciência ou colocar de lado quem esteja vomitando muito.

Depois disso, não deixe de procurar ajuda o mais rápido possível. Nesse caso, você pode ligar para o 192 — número para emergências médicas do governo — ou para alguma clínica particular preparada para atender esses casos. Apesar de ser um momento muito estressante, deve-se evitar xingar ou chamar a atenção do usuário, pois cada segundo será importante para evitar um desfecho trágico diante dos sintomas da overdose.

Você suspeita que seu filho usa drogas, mas não sabe o que fazer em relação a isso? 

Somos especializados no encaminhamento e tratamento de usuários de drogas. Entre em contato

(11) 94748-9103 WhatsApp
(11) 94748-5042 WhatsApp
(12) 99752-2007
(12) 3424-3380
www.clinicasresetprime.com.br

 

Entre em contato com Clínicas Reset Prime Reabilitação em Dependência Química Alcoolismo e Psiquiatria

Entre em Contato

Comentários

Utilize o Facebook para comentar o Artigo